3 de março de 2011

Filme Bruna Surfistinha


Quando eu já sei como é uma história, sempre fico meio com o pé atrás para assistir ao filme. Acho que não vai ser bom e coisa e tal. Mas resolvi dar uma chance para o filme Bruna Surfistinha. E vou te falar: gostei, sim. 

Mostra o momento em que Raquel Pacheco (o verdadeiro nome da Bruna Surfistinha) sai de casa e vai para privê, seus altos e baixos, enfim, mostra esse arco na vida de Raquel. 

Bom o filme é denso, não é uma coisa light, mas pela história/sinopse todo mundo já tem um ideia, né? Deborah Secco está muito bem no papel. No início do filme, fica meio difícil de aceitar que Secco, 31 anos, é uma adolescente de 17, 18 anos. Só quando a personagem se sexualiza e amadurece mais, que esse estranhamento passa. 

Cassio Gabus Mendes também está ótimo no filme
Muita gente achou o filme repugnante porque mostra cenas mais pesadas, quando a personagem realiza os desejos de seus clientes, digamos assim. Ora, em um filme que conta a história de uma prostituta, a pessoa queria o quê? Nem todas têm a “sorte” da personagem de Julia Roberts em Uma Linda Mulher, né, minha gente? Quem é muito sensível não vai gostar do filme. Vai achar que é baixo, desmoralizante. Então, vão preparados. 

O resultado que a gente tira desse filme é que prostitutas têm tudo, menos vida fácil. 

Serviço 
Título: Bruna Surfistinha 
Ano de lançamento: 2011 
Elenco: Deborah Secco, Cassio Gabus Mendes, Drica Moraes e Fabíula Nascimento 
Duração: 109 minutos 
Gênero: Drama 
Sinopse: Aos 17 anos, Raquel se sente desajustada na escola, onde é ridicularizada pelos colegas, e em casa, onde vive em conflito com a família. Um dia, a menina de classe média toma uma decisão surpreendente: virar garota de programa. Ela foge de casa e vai viver num privê, onde as garotas moram e recebem clientes. Adota o nome de Bruna e fica amiga daquelas mulheres, como a intempestiva Janine. Ali conhece Huldson, que vai se empenhar em tirá-la da prostituição. De ingênua e desajeitada, Bruna se torna a garota de programa mais disputada do lugar e a que mais ganha dinheiro. Conhece a sofisticada Carol, que lhe mostra a prostituição de alto luxo, e aluga um flat para receber seus próprios clientes. A fama nacional vem quando, com o nome de Bruna Surfistinha, passa a contar num blog suas aventuras sexuais e afetivas como garota de programa. Mas Bruna vê seu dinheiro e sua saúde serem consumidos pela cocaína e, quando chega ao fundo do poço, é hora de dar uma nova guinada em sua vida. 

Obs.: fonte da sinopse – Interfilmes 

Postado por Rafaela

8 comentários:

  1. Estou absolutamente curiosa para ver esse filme. Dá pra levar a mãe junto ou é meio constrangedor (minha mãe faz o estilo mais "clássico")? rs

    ResponderExcluir
  2. Mariana, minha mãe viu o filme. Agora, se a sua mãe é mais clássica, mais conservadora, pode ser meio estranho. Não há cenas de sexo explícito (ou viraria filme pornô), mas são quase. rs

    ResponderExcluir
  3. Não tinha o menor interesse de assistir a esse filme, mas lendo a sinopse e sua visão, acho que vou arriscar... rsrs

    ResponderExcluir
  4. Bom eu assisti esse filme, confesso que no começo fiquei bem impressionada de como uma atriz pode representar tão bem o papel, e discordo de que ela não aparentava ter 17/18 anos, achei sim que com o semblante sensível e delicado de Débora Seco ela representou muito bem a idade, me convenceu de ela ser nova sim, nossa simplesmente interpretou brilhante mente, não é qualquer atriz que desenvolveria a essência do filme, o ponto que ele quer chegar e passar ao espectador. E olha que pra mim essa atriaz era morna, e neste filme ela arrasou mesmo no papel!
    bjos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Caká. Eu tb achava a Deborah Secco mais ou menos. Fiquei impressionada com a interpretação dela. Muito boa mesmo.

    bjos!

    ResponderExcluir
  6. Eu li o livro O Doce Veneno do Escorpião e gostei. Estou curiosa pra ver esse filme.

    ResponderExcluir
  7. Mi, não cheguei a ler o livro, mas já entrei no blog dela.

    ResponderExcluir