27 de novembro de 2011

Peça As Polacas, no CCBB

Parte do elenco
As Polacas, em cartaz no CCBB Rio de Janeiro, é um daqueles casos em que a oportunidade é mau aproveitada. Afinal, que grupo, amador ou profissional, não gostaria de ter à disposição o palco de um dos centros culturais mais importantes da cidade? E tendo, porque não fazer o melhor?

De acordo com a sinopse disponível no programa, a peça, com texto e direção de João das Neves, trata da concorrência na Praça Onze (RJ), região do "baixo meretrício", entre prostitutas negras e judias vindas do Leste Europeu, fugindo da Segunda Guerra. O programa fala também na destruição da região para  a construção da Avenida Presidente Vargas. Fala outras coisas que ficam "escondidas" durante o espetáculo. 

Não existe disputa entre prostitutas negras e judias durante toda a peça! Existe uma personagem negra e ela não é uma prostituta, mas uma criada (solidária e amiga das meninas judias). O que há é uma disputa, ainda que muito pouco explorada, entre as prostitutas judias, as polacas. 

Em relação à questão da destruição da Praça Onze para a criação da Presidente Vargas, serve apenas como pano (rápido) de fundo, retratado (uma vez) através de imagens exibidas entre uma cena e outra, sem nenhuma legenda ou explicação (ou seja, se você não conhece aquelas fotos, as imagens não significam NADA, pois os personagens não tocam no assunto). 

A história contada de forma não linear mistura histórias de várias prostitutas judias em tempos diferentes, quase sempre entremeadas por números musicais (em alguns é difícil entender o que eles estão cantando, especialmente quando estão em cena os "malandros" da Praça Onze). 

Enfim, uma coisa super estranha e cansativa. De uma forma geral, o elenco não é todo ruim, mas a história, definitivamente, não atrai, não envolve, não ajuda.

Se quiser conferir essa história com seus próprios olhos, clique aqui.

Foto: www.guiadasemana.com.br

Testado por Mariana

4 comentários:

  1. Vou passar longe! Cruzes!!! Que bagunça. Pagou qto por isso??

    ResponderExcluir
  2. Os ingressos custam R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Não é caro, mas, mesmo assim, não vale a pena.

    ResponderExcluir
  3. Vc leu o Segundo Carderno, O Globo, de hj (14/12)??? A Barbara Heliodora falou a mesma coisa que você, praticamente!


    Já pode fazer estágio com ela. rs

    ResponderExcluir
  4. Li, menina. Desta vez a Bárbara está certa.

    ResponderExcluir