4 de maio de 2013

Testei pra Você Entrevista – Nutrição

Desde que começamos com o blog, prestamos mais atenção a rótulos, informações nutricionais, letrinhas miúdas de embalagem... Mas algumas dúvidas e mitos (ou verdades?) sempre permaneceram. Então, convidamos o nutricionista funcional Hugo Marques para responder a algumas perguntas. 

Você é aqui do Rio de Janeiro ou de Niterói e está precisando reeducar seus hábitos, melhorar a qualidade de sua alimentação? Quem sabe o Hugo não é o profissional certo para você? Para entrar em contato com ele, basta mandar e-mail para hbmarques@yahoo.com.br ou ligar para (21) 8869-9489

Antes de começarmos a entrevista, preciso dizer que fiquei CHOCADA com o refrigerante diet. Eu sempre soube que não é lá essas coisas, mas depois dessa resposta.... 

TPVE: Quando compramos produtos industrializados (biscoitos, temperos etc.), quais os valores nutricionais a que devemos estar mais atentos? 

Hugo: Primeiramente, é importante atentar para a lista de ingredientes, que vem em ordem decrescente em quantidade de cada alimento utilizado naquele produto. Os valores nutricionais expressos nos rótulos mostram, por porção definida daquele produto, o valor calórico e a quantidade em gramas de carboidratos, proteínas, gorduras totais, saturadas e trans, sódio. O campo %VD mostra a proporção entre o valor calórico ou a quantidade existente nessa porção e o valor calórico ou a quantidade recomendada desses nutrientes, dentro de uma dieta genérica 2000 kcal. Produtos industrializados podem ter altas concentrações de gorduras trans e sódio, cujo consumo frequente pode favorecer o risco de doenças cardiovasculares. 

TPVE: Por que devemos ficar atentos ao consumo de produtos diet e light, inclusive ficar atento a porções? Dizem que a Coca Cola Zero faz ainda mais mal do que a comum. É verdade? Por quê? 

Hugo: Alimentos diet são aqueles que têm a isenção de um componente, com o objetivo de alcançar um público-alvo com necessidades fisiológicas específicas. Como exemplo, há alimentos diet com isenção de açúcar, destinados a pessoas com diabetes; há alimentos diet com restrição de sal (cloreto de sódio), destinados a pessoas hipertensas. Não necessariamente tais alimentos são reduzidos em calorias e muitas vezes a restrição do açúcar é compensada com o acréscimo de gordura. É importante sempre atentar aos rótulos. Alimentos light são reduzidos em calorias ou em determinado nutriente (carboidrato, proteína ou lipídio), totalizando a redução de pelo menos 25% do valor calórico do produto original. Não necessariamente possuem isenção de açúcar. 
Os aditivos presentes em qualquer refrigerante são entendidos pelo nosso organismo como toxinas. Os refrigerantes zero ou light possuem ainda, adoçantes artificiais, que consumidos com muita frequência, podem estar associados a hipertensão, alguns tipos de câncer, mal de Alzheimer ou Parkinson. Os adoçantes artificiais vão dessensibilizando os receptores da língua, mascarando aos poucos a sensibilidade ao sabor doce, favorecendo a longo prazo diabetes, aumento dos triglicerídeos e esteatose hepática ("gordura" no fígado). 

TPVE: Sempre aparecem sementes que são quase como um milagre, a salvação. A moda atual é a chia. Elas realmente são essenciais ao organismo como um todo ou são somente mais um complemento para a alimentação, ou seja, dispensáveis? 

Hugo: Um maior consumo de fibras realmente é essencial para o funcionamento intestinal, saciedade e prevenção de doenças crônicas. Portanto, é essencial aumentar esse aporte, a partir de frutas, hortaliças, feijões e cereais integrais diversificados (chia, linhaça, gergelim, aveia, quinoa ou amaranto). O nutricionista deve investigar a individualidade bioquímica de cada pessoa para recomendar quais são as fontes apropriadas de fibras em seu plano alimentar. 

TPVE: É possível e saudável cortar definitivamente as frituras e o carboidrato da alimentação? 

Hugo: Frituras podem ser descartadas da alimentação, mas as gorduras em geral, consumidas moderadamente, são necessárias para formação de hormônios sexuais, neurotransmissores e algumas vitaminas. Existem gorduras mais saudáveis, que são aquelas presentes em alimentos como azeite, abacate, nozes, amêndoas, castanhas, linhaça, sardinha, salmão e atum. Carboidratos são indispensáveis para geração de energia, recomendando-se preferir os integrais. 

TPVE: O índice de massa corpórea é realmente a forma mais eficiente de constatar se uma pessoa está ou não com sobrepeso? 

Hugo: É um indicador bem validado, que possui boa correlação com o estado nutricional da maioria da população. Contudo, pode não ser o indicador exclusivo para avaliação nutricional de determinados grupos populacionais, podendo mascarar a real composição corporal. Pessoas com prática moderada ou intensa de atividade física, com baixo percentual de gordura e alto IMC, não podem ser denominadas como sobrepeso, por exemplo. 

TPVE: O que acontece com as pessoas que são popularmente chamadas de "magras de ruim"? Por que algumas pessoas, mesmo comendo muito, não engordam? 

Hugo: O estado nutricional é um equilíbrio entre o consumo e o gasto energético. Em algumas situações, alterações hormonais e deficiências de vitaminas e minerais envolvidos no metabolismo podem interferir nesse processo. Além disso, mesmo comendo muito, as pessoas podem não estar se nutrindo qualitativamente bem para sua individualidade bioquímica. 

TPVE: Qual a orientação para quem está acima do peso, quer emagrecer, mas não gosta de verduras e legumes? É possível ter uma alimentação correta não gostando deste tipo de alimento? Eles podem ser substituídos? 

Hugo: Não podem ser substituídos. São necessárias ações de educação nutricional e promoção ao consumo de hortaliças pela mídia, pois um bom aporte de vitaminas, minerais e fitoquímicos só é obtido pela diversificação de verduras e legumes no cotidiano alimentar. 

Vou pensar duas vezes antes de sair substituindo qualquer produto pela versão diet. Achando que estava sendo a “gênia”, mas na verdade estava sendo a “JÊNIA”. Ainda bem que há profissionais para nos ajudar. 

Hugo, muito obrigada por essas explicações diretas e que sempre permeiam a mente, principalmente, de quem tenta reeducar a alimentação ou que deseja hábitos mais saudáveis. 

Postado por Rafaela

8 comentários:

  1. Anônimo5/5/13 16:18

    Amei a entrevista! Muito didático

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entrevista bem legal, né? Que bom que gostou, Anônimo!

      Excluir
  2. Muito boa entrevista! A verdade dói. (Amo refrigerante).

    ResponderExcluir
  3. Muito boa a entrevista com respostas objetivas.
    Ai, como eu gostaria de conseguir manter uma alimentação saudável...rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, eu também gostaria ter uma alimentação mais saudável. O problema é que a gente é viciada em besteira. rs

      Excluir
  4. Muito legal a entrevista! Parabéns pela iniciativa!

    ResponderExcluir