23 de agosto de 2013

O Livro da Loucura e das Curas – Regina O’ Melveny

A nossa parceiríssima Carolina, do blog Entre Livros, nos emprestou o Livro da Loucura e das Curas, de Regina O’ Melveny, da editora Novo Conceito.

Resenha oficial: Após o desaparecimento repentino de seu pai, Gabriella Mondini enfrenta uma crise: sem o seu aconselhamento, ela não pode mais praticar a medicina. Então, junto de seus dois fiéis servos, Olmina e Lorenzo, ela explora toda a Europa para descobrir para onde — e por que — ele se foi.
Seguindo pistas das ocasionais e enigmáticas cartas do pai, ela vasculha as capitais europeias expandindo os horizontes de seu mundo e acrescentando conhecimentos ao imenso livro das curas que está escrevendo.
No entanto, ela não conhecerá apenas os limites físicos do continente, mas, também, os mistérios do amor, da perda e da mortalidade. Mistérios que estão no coração de cada alma viajante, especialmente na alma de seu pai.

Não estava levando muita fé nesse livro, pensava que, no final de tudo, seria um autoajuda disfarçado. Mas até que fiquei surpresa positivamente. O livro conta a saga da médica Gabriella em busca de seu pai, que desapareceu há 10 anos com o pretexto de descobrir mais sobre a cura e as doenças para enriquecer o seu Livro das Doenças. A médica resolve refazer os caminhos percorridos pelo seu pai, em companhia de dois criados, para resgatá-lo a qualquer preço. Nessa viagem, acho que ela conseguiu se resgatar de seus traumas, mazelas e dúvidas mais do que qualquer outra coisa. Tudo isso no fim do século XVI, quando a igreja anglicana aumenta seus domínios, mulheres não são bem-vindas em vários territórios, principalmente, as médicas e curandeiras, consideradas bruxas.

O livro é um pouco arrastado, com situações um pouco repetitivas. A gente acompanha Gabriella, Lorenzo e Olmina por perigos, momentos felizes e muitos momentos tristes, principalmente por causa dessa obsessão dela pelo pai. Como ela está sempre um, ou mais, atrás do pai – afinal, ela está percorrendo o caminho que ele fez –, é possível desenvolver melhor as histórias, não só dos viajantes, como a interação com quem eles encontram pelo caminho, mas nem sempre acontece. Não achei um ponto alto da história, o clímax. O desfecho foi resolvido de uma forma rápida, prática demais até. Quem gosta de um drama mais linear, sem grandes surpresas, vai gostar. Mas eu esperava bem mais a partir de um início promissor.

Obs.: essa resenha também será postado no blog da Carol.

Testado por Rafaela

4 comentários:

  1. Gosto desse tipo de história. Apesar do Testei relatar que o início foi mais interessante, fiquei curiosa pra ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dê uma chance a ele, Denize. Talvez você goste.

      Bjos

      Excluir
  2. Oi, Rafa!

    Apesar deste livro fugir do meu estilo, confesso que fiquei curiosa em saber se ela encontrou o pai ou não... me lembrou o livro "Comer, Rezar e amar".
    Quem sabe darei uma chance.

    XOXO

    Mia Duarte - Hora da Colunista do Entre Livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não li Comer, Rezar e Amar, acredita? Achei que foge demais do meu estilo e acabei não dando chance a ele.

      Beijos!

      Excluir