3 de fevereiro de 2014

Filme A menina que roubava livros

Li A menina que roubava livros há um bom tempo, então não me lembro de todos os detalhes e
reviravoltas do livro, mas tenho ainda boa lembrança do panorama. Com isso em mente, fui assistir à adaptação.

A sinopse é mais ou menos assim: Liesel – filha de uma comunista perseguida pelo nazismo – é adotada por uma família durante o regime nazista. Sua alcunha se dá por um “hábito” que começa no enterro de seu irmão: rouba um manual de coveiro. Já com sua nova família, é incentivada pelo pai adotivo a desenvolver a leitura. Enquanto passa pelas agouras e privações que uma guerra impõe, a menina rouba livros e vivendo um dia de cada vez. Narrado pela Morte, a Menina que roubava livros romanceia o período da Segunda Guerra Mundial. Não mostra nada de forma crua, mas tenta atingir as emoções do leitor.

O filme corre pelo mesmo caminho. O relacionamento da menina com os novos pais, com o vizinho e com Max, um judeu acolhido por sua família adotiva e que vive escondido no porão da casa. Além disso, há uma relação improvável de Liesel com Ilsa, a esposa do prefeito pró-Hitler. Mostra também como o regime afetava os mais pobres, que eram obrigados a se alistarem, além de vários outros sacrifícios. De cara, algumas situações estão um pouco diferente: a personalidade da mãe adotiva e da menina, principalmente.

Pelo que lembro, Max tem uma participação bem mais ativa no livro do que no filme, norteando Liesel. E seus dias lendo são muito mais intensos na obra escrita. É claro que certas adaptações são necessárias em ocasiões como essa (de levar o livro pras telas).

Como falei acima, a Menina que roubava livros (livro) pode não ser uma obra-prima entre tantas que tratam da II Guerra e do nazismo. Mas em relação à adaptação, acredito que foi fiel ao livro dentro do possível. É uma história bonita e que merecia ser contada.

Testado por Rafaela

8 comentários:

  1. Gostaria de ler o livro. Fico desconfiada quando o cinema faz adaptação de livro, porque em geral a narrativa foge em pouco. Apesar do Testei dizer que isso não acontece com esse filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar das diferenças, achei a adaptação muito boa.

      Excluir
  2. Estou louca para ver o filme, porém quero terminar primeiro o livro, só que tá dificil, to sem tempo para me dedicar a ele, certamente verei o filme daqui uns dois meses :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, depois conte pra gente o que achou do livro e do filme. ;)

      Excluir
    2. Pode deixar, só que vou demorar para contar.... to sem tempo de recomeçar o livro! :/

      Excluir
  3. Chorei pouco, me segurei, mas achei incrível. O filme é incrível, a história da Liesel me tocou e o fato de a mesma ser narrada pela morte é de extrema originalidade, pra mim. Várias verdades foram ditas durante o filme e me identifiquei com algumas, ainda que nas entrelinhas. Adorei e vou comprar quando sair em dvd...

    Beijos, Rafa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adorei a sacada da narração ser feita pela Morte.

      Beijos!

      Excluir
  4. Filme perfeito, nunca um filme vai trazer os detalhes de um livro, isso é ilusão, todavia é uma pelicula genial, vale o ingresso, o aluguel, a compra.

    ResponderExcluir