2 de junho de 2014

Filme Os homens são de Marte... e é pra lá que eu vou

Baseado na peça homônima, o filme Os homens são de Marte... e é pra lá que eu vou tem o roteiro de Mônica Martelli, que vive Fernanda, uma produtora de casamentos de 39 anos que não consegue encontrar o homem de sua vida.

Depois de quase 10 anos em cartaz com a peça, Mônica Martelli está mais do que à vontade com o tema e com a personagem. Completamente natural, a atriz mostra com sua personagem a questão de estar solteira à beira dos 40, suas frustrações em encontros, o desespero que a leva a fazer simpatias, rezas e tudo que ensinarem para arrumar um marido. 


O filme é narrado pela personagem principal e vai se desenrolando com os encontros frustrados e as considerações de Fernanda. Isso é um pouquinho cansativo, pois gira sempre no tema paquera-encontro-fora-fossa. Sim, sei que a espinha dorsal do filme é essa busca pelo amor e consequentes encontros. Como está envolvido em situações divertidas, sem grandes dramas, não compromete o filme como um todo.

No elenco principal, ainda estão Paulo Gustavo e Daniele Valente. As cenas com o trio são as mais engraçadas e as que garantem mais risadas, principalmente Paulo Gustavo com seu jeito hiperativo e sarcástico. Já os candidatos a marido são interpretados por Eduardo Moscovis, Humberto Martins, Marcos Palmeira e Peter Ketnath.

Se não é um primor da comédia, está acima da média da maioria dos filmes americanos deste gênero. É um ótimo divertimento e não deixa de ser, por mais clichê que seja, um toque em pessoas que querem uma cara-metade a todo custo, qualquer cara-metade, sem pensar em si, no que deseja pra vida, sem se resolver.

Testado por Rafaela

5 comentários:

  1. Também vi o filme, comédia muito divertida, vendo a aflição da protagonista para encontrar um marido. Recomendo.

    ResponderExcluir
  2. Eu conhecia a peça. E o filme quase não teve muita chamada na Globo... esperarei sair no Telecine...

    XOXO
    Mia Duarte
    Hora da Colunista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não vi muita propaganda, não. Não cheguei a ver a peça, então não posso comparar. Mas achei o filme um bom divertimento.

      Bjos!

      Excluir
  3. A peça eu vi e admito que era boa não ótima, o filme vi ontem e me surpreendi muito bom, ri horrores principalmente com o Paulo Gustavo sempre genial.

    ResponderExcluir