1 de dezembro de 2014

Filme Trinta

  ,
Sinopse

Cinebiografia do carnavalesco Joãosinho Trinta (Matheus Nachtergaele), o filme traça o retrato do artista a partir de um recorte no tempo. Dos anos 1960, quando se mudou do Maranhão para o Rio de Janeiro a fim de se tornar bailarino do Theatro Municipal; até 1974, ano em que assume o posto de carnavalesco da Acadêmicos do Salgueiro, tradicional escola de samba do carnaval carioca. Do anonimato à consagração, Trinta aborda a amizade e o rompimento de Joãosinho Trinta com o cenógrafo e carnavalesco Fernando Pamplona (Paulo Tiefenthaler), o preconceito sofrido dentro da própria família e a inveja despertada no barracão.

A maioria dos filmes biográficos vai do nascimento até a fase atual do homenageado, o que muitas vezes fica bem cansativo. Quando a família ou o próprio biografado está envolvido e quer limar várias passagens “polêmicas”, aí a história se arrasta por nos apresentar um ser perfeito ou com seus defeitos romanceados, justificados.

O legal de Trinta, filme sobre o carnavalesco maranhense Joãosinho Trinta, várias vezes campeão da folia carioca, é não focar somente na história de vida, deixando de lado a infância e todo o drama do personagem até sua entrada como bailarino no Theatro Municipal. O filme já começa com ele adulto, passando no concurso do teatro. A partir daí, com uma reviravolta na sua vida – assume o carnaval do Salgueiro poucos meses antes do desfile –, vamos acompanhando suas ansiedades, sua história, seu passado, seus pensamentos enquanto ele vai desenvolvendo o enredo.


Então, Trinta não se torna cansativo pois acompanhamos o crescimento do personagem e a expectativa para que o carnaval dê certo com o Joãosinho Trinta. Matheus Nachtergaele está maravilhoso como o carnavalesco. Até a língua meio presa, ele absorveu de forma natural, sem ficar nada caricato. Aliás, a composição toda não está caricata, não tem cara de “quero ser uma cópia fiel”. Além dele, há muitos atores bons que só deixam o filme mais interessante, como Fabrício Boliveira, Paulo Tiefenthaler, Milhem Cortaz e Paola Oliveira.

Enfim, foi uma homenagem ao Joãosinho Trinta com um filme leve, informativo e nem um pouco cansativo.

Testado por Rafaela

2 comentários:

  1. Também vi o filme, realmente é muito bom, despretensioso, mas que dá para conhecermos um pouco da criatividade de Joãosinho Trinta. Matheus Nachtergaele é muito bom ator

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro o Matheus Nachtergaele. Ele está sempre ótimo. Realmente, o filme é despretensioso e muito bom.

      Beijos!

      Excluir