24 de junho de 2015

Livro Uma curva no tempo – Dani Atkins

Sinopse

Às vésperas de saírem da cidade para a faculdade, Rachel Wiltshire e seus amigos sofreram um terrível acidente. Durante o jantar de despedida do grupo, um carro desgovernado atravessou a vidraça do restaurante onde estavam. Rachel escapou por pouco... Na verdade, ela deve sua vida a Jimmy, seu melhor amigo, que se sacrificou para salvá-la.

Cinco anos mais tarde, todos do grupo estão prestes a se reencontrar para o casamento de Sarah. Bem, quase todos. É com muita dificuldade que Rachel se convence a prestigiar a amiga, pois sabe que, para isso, terá de enfrentar os fantasmas do passado. Principalmente a culpa pela morte de Jimmy.

Com a vida destroçada, o rosto desfigurado por uma grande cicatriz e sofrendo de constantes dores de cabeça em decorrência do acidente, Rachel se obriga a encarar os fatos e vai ao cemitério visitar pela primeira vez o túmulo do amigo. Ao chegar lá, sua dor se intensifica a tal ponto que ela acaba desmaiando.

Quando acorda no hospital, Rachel fica surpresa: seu pai parece estar curado do câncer que o devastava, Jimmy está vivo e Matt – seu ex-namorado – alega ser seu noivo.

Sem entender o que lhe aconteceu, Rachel tenta convencer a todos de que nada daquilo pode ser real, mas os médicos apenas a diagnosticam com amnésia.

Desesperada por respostas, Rachel precisa primeiro decidir se vale a pena tentar voltar para a vida que conhecia e que, no fim das contas, era muito pior do que a que ela tem agora...

Uma curva no tempo, livro que recebemos da editora Arqueiro, é um romance com pitada de drama. Mas um drama leve que não causa, pelo menos em mim, nenhuma sensação de “sofrência”.

A personagem principal, Rachel, é a mocinha típica de romances rasos: menina desajeitada, que sempre precisa ser salva. O mocinho é o rapaz de bom coração, bom amigo, bom ouvinte, perfeito. Sempre tem o “vilãozinho” para justificar algumas atitudes dos mocinhos e por aí vai.

Quando surgiu essa realidade paralela, achei que Dani Atkins não soube aprofundar o assunto. Claro que ela precisava focar nas inseguranças de Rachel, na confusão mental em que ela se encontra – enquanto ela lembrava de sua outra vida, os outros achavam que ela estava até louca por causa do acidente. Mas senti falta de aprofundamento do tema, não que ela deveria ter dissertado cientificamente sobre o assunto, mas abrir mais um pouco o leque do que poderia estar acontecendo com a protagonista.

É fofo, a autora toca na sensibilidade do leitor, mexe em questões sentimentais? Sim, mas achei pouco.

Com 240 páginas, Uma curva no tempo é um texto de narrativa leve, coloquial, simples.

Testado por Rafaela

2 comentários:

  1. Gosto desse tipo de romance. Leitura leve e despretensiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de ser um draminha, achei bem leve, Denize.

      Excluir