31 de março de 2017

COLUNISTA – Escândalo de Cetim – Loretta Chase

Para dar uma animada aqui no Testei pra Você, temos uma novidade: a Mia Fernandes, que sempre participa na nossa seção Testador Convidado, é a nossa mais nova colunista. Fã de séries, música pop, filmes e livros, Mia vai ter um cantinho aqui para dividir com a gente tudo que ela vê por aí. E, para estrear a coluna, ela escolheu falar de Escândalo de cetim, livro da autora Loretta Chase.

Bem-vinda, Mia!

Sinopse
Cabelos pretos, brilhantes olhos negros... o nariz de um nobre, reto e arrogante, a compleição de quase 1,90 metro.
Toda aquela beleza máscula. Ah, se ele também tivesse um cérebro, pensou Sophia. Não, melhor não. Em primeiro lugar, um cérebro em um homem não era algo muito conveniente. Segundo, ela não tinha tempo para homens. Precisava salvar sua loja da ruína iminente.
Como a maioria de seus pares, lorde Longmore raramente se levantava antes do meio-dia. Os cabelos desalinhados, o lenço torto no pescoço, o casaco, o colete e as calças amassados revelavam a Sophia que ele ainda não fora se deitar – pelo menos não na própria cama.
Em sua mente, vislumbrou o imponente conde nu, em meio a um emaranhado de lençóis. Ela nunca o vira sem roupa, e era melhor que continuasse assim. No entanto, tinha uma imaginação fértil.
Com firmeza, afastou aquele pensamento. Um dia ela se casaria com um homem respeitável, que não se meteria em seu trabalho. Longe de ser respeitável, Longmore era um grande tolo, que sempre se metia na vida dos outros.
Além disso, era o filho mais velho de uma mulher que queria ver as irmãs Noirot varridas da face da Terra. Somente uma tonta se envolveria com ele.

O segundo livro da série Modistas, Escândalo de Cetim da autora Loretta Chase vai te mergulhar numa infinidade de descrições de vestidos, rendas, babados, anáguas e todas as variações de combinações das roupas femininas usadas na época dos romances históricos, pelas mulheres da sociedade Londrina.

Neste volume a história gira em torno de Sophia Noirot, a irmã que sabe como ninguém criar os mais extravagantes chapéus e incorporar qualquer personagem que lhe vier à cabeça. Soph é capaz de criar os mais mirabolantes planos, sem perder os botões dos seus espartilhos. De dia ela confeccionava os chapéus e ajudava as irmãs na loja delas a Maison Noirot e a noite ela era a vendedora-empregada-dançarina tudo para conseguir mais clientes para o empreendimento familiar e assim colaborava como uma repórter anônima no jornal de fuxicos da sociedade, O Morning Spectacle. Ou seja, um marketing para a Maison Noirot, já que descrevia com grande fervor e nos mínimos detalhes as roupas usadas pelas socialites e mocinhas das temporadas. E era assim que ela atrai a clientela: com uma bela dosa de fofoca e detalhes incríveis dos vestidos, tudo bem entranhado no drama que alimentava a curiosidade dos leitores londrinos.

O grande problema deste livro é o grande destaque a descrição das roupas e dos tecidos. Ok, que o livro gira em torno das roupas, mas em vários momentos eu me vi querendo pular os parágrafos que começassem com “vestido com mangas compridas, drapejadas na altura do ombro...”. Queria desnundar a história, para ver se tinha algo belo e escondido debaixo de tantas camadas de tecido. Entretanto, depois de desbravar heroicamente, me deparei com uma história da qualidade das roupas da loja Citcol, engraçadinha para usar em casa, mas vergonhosa para usar num casamento.

Personagens rasos e que não prendia na minha imaginação e nem despertavam aquele furor que existe nos romances históricos. 

Intenção ou não da autora, mas em Escândalos de Cetim, os personagens masculinos são mostrados como realmente eram os homens daquela época, com personalidade irritante, prepotentes e donos de cérebros nem um pouco desenvolvidos. As mulheres subjulgadas e interessadas somente no que dita a moda francesa e os fuxicos da sociedade, do tipo quem casou ou perdeu a sua reputação para algum mulherengo da roda. 

O título não esconde o que você vai encontrar no decorrer da leitura. Existem muitos escândalos fornecidos pela personalidade da francesa Sophia e sua maneira de resolver os seus problemas, tudo isso envolta de bastante tecido. Para quem gosta de romances históricos com finais felizes é uma boa escolha, além de que esta série pode ser lida fora da ordem, porque cada história se encerra no seu próprio volume.

XOXO

Mia Fernandes.

Um comentário:

  1. Seja bem vinda e que tenha muito sucesso na carreira!!!
    Beijos do seu parceiro de viagem.
    Van.

    ResponderExcluir