12 de abril de 2017

COLUNISTA: Quando a Bela domou a Fera – Eloisa James

Sinopse
Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, “Quando a Bela domou a Fera” é uma releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos.
Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo na País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.
Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse aos seus pés. Após ver o seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.
No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?


Primeiro quero agradecer pela Editora Arqueiro por ter enviado para o Testei Pra Você o exemplar do livro “Quando a Bela domou a Fera”, da autora Eloisa James. De início, pensei que ele fosse seguir a linhas das inúmeras adaptações de Bela e a Fera. Entretanto, na nota histórica, a autora falou que baseou sua obra na “La Belle et la Bête” de Madame Gabrielle de Villeneuve escrita em 1740.

Sendo uma fã de romances históricos, tenho que dizer que este não desceu bem pela minha goela. Não posso culpar totalmente o modo como ele foi traduzido aqui no Brasil, mesmo que tenha me irritado horrores. Mas, o pior está na falta de empatia com todos os personagens, tantos os protagonistas Linnet e Piers. O ponto máximo do meu desagrado foi o modo como toda a história se desenrolou, como um pastelão brasileiro. Infelizmente, me lembrando de filmes que assistia no colégio, tipo a vinda da família real ao Brasil, aquela tenebrosa Maria Joaquina.

Linnet fora uma jovem vítima de sua beleza angelical, uma aparência tão magnífica que somente os mais belos poemas poderiam chegar aos seus pés. Devido aos rumores da sociedade e má escolha do vestido (que engordara sua silhueta, dando uma aparência de gravidez), ela teve sua reputação arruinada, sem ter como provar que as acusações eram infrutíferas, visto que ainda era virgem, então não teria como ela estar grávida. Sua única chance de salvação seria contrair casamento com o Conde de Marchant. 

Piers, conhecido como o Monstro pelo seu temperamento abrasante, era um médico típico aqueles que encontramos aqui nos hospitais brasileiros. Que não tem “dedo” para dar más notícias. Além da personalidade beligerante, ele também tem um problema na perna, o que fez ganhar mais um rótulo: impotência e, consequentemente, incapacidade de gerar um herdeiro. Então, a união da Bela com o Monstro seria perfeita: Linnet já teria o herdeiro e ele – que só aceitaria se casar com uma mulher mais bela que a Lua e Sol – a mulher mais bonita.

Para não dizer que tudo foi um horror, a relação de Linnet com Pries não seguiu aquele clichê: “logo se viram, logo se apaixonaram”. Não, isto não aconteceu. Eles se conheceram, Linnet entrou na rotina da sua nova moradia de uma maneira natural, e conseguiu se adaptar a peculiaridade do seu noivo e do seu trabalho. 

Quando a Bela que domou a fera não me fez domar a minha língua, só me fez pensar que já li histórias melhores tanto em romances históricos quanto em qualquer outro estilo. Então, caro leitor(a), se nunca deparaste com um romance, não me comece com este. Para aqueles que amam este gênero, só posso recorrer a um dito popular: “quem não arrisca, não pestisca”.

XOXO

Mia Fernandes.

A Bela e o Monstro é uma história muito antiga; Madame Gabrielle de Villeneuve escreveu La Belle et la Bête em 1740.

Um comentário:

  1. Oi Mia, eu tenho curiosidade é de ler os próximos da série pois serão também baseado em conto de fadas.
    Uma pena que esse não foi O romance na sua opinião.
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir